sexta-feira, 7 de outubro de 2011

A NOITE DOS MORTOS-VIVOS

"They come to get you Barbra"

OUTUBRO DAS BRUXAS

Um grupo de pessoas que não se conhecem se abrigam em uma casa rural abandonada depois que sedentos zumbis começam a atacar em todo o mundo.

Se existe um cineasta que trabalha no gênero terror que é imitado, copiado e parodiado, ROMERO é com certeza o alvo. Mestre do Terror e o inventor dos “Zumbis Mortos-vivos”. Conseguiu este mérito com este clássico absoluto de 1968, que obteve um sucesso considerável e até hoje é um cult-movie. 



Rodado de maneira independente na cidade de Pittsburg, em preto e branco, com atores e não-atores e equipe de cinema de lá. Esqueçam das imitações porque este é o original. Ele pode ser datado e inocente e não ter o fôlego dos filmes de zumbis modernos, mas é o avô de todas essas fitas que tratam de mortos saindo de suas tumbas. A explicação da trama é a seguinte: uma “radiação” (na verdade Romero não explica com ênfase o motivo dos acontecimentos e deixa a imaginação do espectador fluir) de um satélite que caiu nos EUA “poderia” ter causado o terror que se alastra. Pessoas que já morreram começam a levantar de suas tumbas (embora nunca seja mostrado), assim como, nos necrotérios de todo o mundo, corpos sem vida começaram a atacar as pessoas e usá-las como alimento (segundo o Radio News durante o filme). O cérebro era o único órgão que funcionava e somente uma parte dele alertava o elemento básico de sobrevivência: comida! Ou seja, não há mais nada que os zumbis desejam do que se alimentar de carne humana. Bom, se esta função do cérebro humano morto é a única parte que ainda funciona, porque eles não comiam salada ou frutas? Enfim, para um filme de terror que deseja criar uma atmosfera aterradora e ser criativo visualmente, esses detalhes inverossímeis escapam das mãos do autor. Se quiserem uma explicação mais “lógica” de pessoas que morrem e viram mortos ambulantes, recomendo a série RESIDENT EVIL, mas estes filmes baseados em um vídeo-game são cópias. O do Romero é o verdadeiro clássico e um dos filmes mais amedrontadores de todos os tempos.


A mocinha é irritante, interpretada pela amadora que só fez mesmo este filme de importante e tornou-se deusa dos fanáticos e admiradores do filme, JUDITH O´DEA como Barbra. O que ela só tem feito nos últimos 43 anos é participar de convenções do gênero, que ainda promove um filme eterno. DUANE JONES que faz o negro (Ben), já faleceu, em 1988. É o único ator realmente excelente da fita, profissional. Infelizmente ele não levantou da tumba para nos presentear com mais de sua atuação sincera. Seu outro trabalho mais conhecido é uma versão – também cultuada- de Drácula: “Pacto de Sangue” no mesmo ano de sua morte. O resto do elenco são atores locais da Pennsylvania, Pittsburg. Alguns também já morreram como o ótimo KARL HARDMAN no papel de Harry Cooper. O homem extremamente irritante que confronta o herói e decide ficar trancafiado no sótão. A garotinha é feita por KYRA SCHON, que sabe meter mais medo do que a Regan quando vira defunta e começa a morder. A mãe é feita pela também excelente MARILYN EASTMAN (que também atua como uma zumbi), a única do elenco, como Duane Jones, que vinha de outro estado Iowa. (Jones era um ator de Nova York). Esta senhora ainda vive! E, o casal jovem do grupo dos não-atores profissionais, completa o filme lindamente. KEITH WAYNE como Tom (também morreu) e a loira JUDITH RIDLEY, como Judy. 
Há ocasionais participações de outros atores em sequências via TV pelos telejornais locais na qual os personagens assistem para entender o que estava acontecendo lá fora. Mas, o grupo que mais se destaca é mesmo os zumbis. Okay! A maquiagem dos monstros certamente não impressiona mais o público de hoje depois de tantas mudanças na indústria cinematográfica (até mesmo na independente), porém ainda é possível levar alguns sustinhos quando as criaturas além túmulo começam a surgir inesperadamente, encurralando essas pessoas na velha casa. Na verdade este exemplar de Romero é uma dura crítica social. Ricos, pobres, homens, mulheres, brancos e um negro, todos tendo que aprender a lidar com suas diferenças para tentar sobreviver a um apocalipse terrível. 


A NBO entertainment fez o favor de lançar, aqui no Brasil, uma edição especial (sem extras) do filme remixado e colorizado! Vale a curiosidade. Assistir a “Noite dos Mortos-vivos” a cores só comprova o carinho e dedicação (e brilhantismo a parte) realizada por Romero. Ele próprio monta, faz a fotografia e dentre outras habilidades na qual não é creditado. Claro, que vê-lo originalmente em preto e branco é a tarefa obrigatória de todo cinéfilo.

O Primeiro Zumbi!
“A noite” é pura película! Aquela visão e sensação de filme clássico que desperta no amante da sétima arte. Por mais tolo, inocente e antigo, a fita envelhece espetacularmente. Provavelmente, por ser tão louvado por este trabalho, a carreira de Romero passou a ser irregular em alguns filmes e subestimada em outros (é dele uma parceria bacana de filmes com STEPHEN KING: “A metade Negra” e “Creepshow”). Todos esperam que ele faça um novo A Noite dos Mortos-vivos, como esperavam do Orson Welles o próximo Cidadão Kane. Eis a maldição de um primeiro grande sucesso.

Dez anos depois, Romero decide transformar a sua singela criação em uma série. Primeiramente em uma trilogia, e a primeira continuação foi lançada em 1978: “ZOMBIE- DESPERTAR DOS MORTOS” (refilmada por Zack Snyder como “Madrugada Dos Mortos” como o título original – ‘Dawn of the Dead’). O filme teve colaboração de outro cineasta de terror, o italiano DARIO ARGENTO que faz a música do filme e a edição recut lançada anos depois. O segundo segue a idéia central: pessoas diferentes são encurraladas por zumbis, só que agora em um Shopping Center! Em seguida Romero faria “DIA DOS MORTOS” (1985) fechando a trilogia, sem o sucesso merecido e, a pedido dos fãs e depois de perceber que filmes de Zumbis voltaram para a moda (depois de assistir a versão de Snyder e os filmes de ‘Resident Evil’ [Romero foi convidado para dirigir esta adaptação, até tinha escrito um roteiro que foi rejeitado]) ele resolve adicionar mais um capítulo para a coleção, na fita que considero o seu trabalho mais irregular: “TERRA DOS MORTOS” (2005) e ainda depois ele produziu mais continuações: “DIÁRIO DOS MORTOS” (2007) e ILHA DOS MORTOS (2009), mas a fórmula, dentro da série original já se esgotou. 


Nada se compara ao filme de 68, uma idéia modesta, simples e na qual o resultado, apesar de ser formado em cinema, Romero deixou um filme autodidata que transcende o tempo.

A sequência inicial quando Barbra e o irmão estão no cemitério e o zumbi (S. WILLIAM HINZMAN) ataca e depois passa a perseguir a moça, é o meu momento predileto. A gente acha que Barbra será a última sobrevivente, mero engano. Romero é mais pessimista com o realismo de seu filme. Ela passa a ser irritante e fica completamente louca, atrapalhando o pobre Ben (Duane Jones que não tem problema em estapear a mulher). Aliás, o final deste filme é realmente trágico que não tem remorso em terminar o destino de todos de maneira estúpida, justamente pela estupidez do homem de não acertar as diferenças e de não saber trabalhar em equipe. Aquela pergunta que não quer calar: “O que você faria se estivesse em um mundo repleto de Zumbis?” É curioso imaginar como iríamos reagir e para onde iríamos nos esconder e com quem. Você agiria melhor sozinho?

Com um grafismo excelente, em 1990 o maquiador de filmes como: “Sexta-Feira 13” TOM SAVINI, estréia na direção com um fiel remake de “A Noite” usando o mesmo roteiro original com algumas mudanças e produção do próprio Romero. O resultado foi interessante, a fita é mais contemporânea, violenta, caprichada e mais arrepiante!
Cartaz da refilmagem de 1990 (Tom Savini)
Pois é, quando não houver mais espaço no inferno, os mortos caminharão sobre a Terra. Aquelas “coisas” na qual os protagonistas mencionam o tempo todo são os nossos semelhantes, e com apenas uma mordidinha, seremos todos iguais.




EUA-1968
TERROR
FULLSCREEN
96 min./P&B
COR- Edição em DVD: NBO (Brasil)
18 ANOS
 ✩✩✩✩✩ EXCELENTE
 

UMA PRODUÇÃO IMAGE TEN
UM FILME DE GEORGE A. ROMERO

 NIGHT 
OF THE
LIVING 
DEAD

Escrito originalmente por
JOHN RUSSO e GEORGE ROMERO

ESTRELANDO: 
DUANE JONES. JUDITH O ´DEA
KARL HARDMAN . MARILYN EASTMAN. KYRA SCHON
KEITH WAYNE. JUDITH RIDLEY

“Os Zumbis”
CHARLES CRAIG. S. WILLIAM HINZMAN. A.C. McDONALD
LEE HARTMAN. JACK GIVENS. RUDY RICCI. PAULA RICHARDS
JOHN SIMPSON. HERBERT SUMMER. ROSS HARRIS. PHILLIP SMITH
ELLA MAE SMITH. RANDY BURR. JOANN MICHAELS
STEVE HUTSKO. WILLIAM MOGUSH. SHARON CARROLL
DAVE JAMES. JASON RICHARDS
AL CROFT. ROSS HARRIS. WILLIAM BURCHINAL

Produzido por KARL HARDMAN e RUSSELL W.STEINER
Música Original incluída em 1998 por SCOTT VLADIMIR LICINA
Montagem
BRIAN HUCKEBA   GEORGE A. ROMERO   JOHN A. RUSSO
Maquiadores BRUCE CAPRISTO. KARL HARDMAN

DIREÇÃO 
GEORGE A. ROMERO


The Night Of The Living Dead ©1968 Image Ten/ Laurel Group.



6 comentários:

Karla Hack dos Santos disse...

Eu sou apaixonada por este filme... tudo nele! É tão simples e tão genial! Esta frase "They come to get you Barbra", já inclui no meu cotidiano. ehheheh
Adoro o final do filme e alguns contextos nele, o Duane realmente está perfeito no papel!

Ótima resenha!

;D

alan raspante disse...

não vi nenhum filme do Romero, pois é... Nenhum! :(

Celo Silva disse...

Curto muito esse filme tb. Obra-prima, Romero acerta em cheio em criar o zumbi perfeito, já q antes desse eles eram figuras lentas e pouco assassinas. Apesar de carregar simbolismos, o filme é uma execelente diversão!

Abs!

Reinaldo Glioche disse...

Eu vi em preto e branco! rsrs. Sério, esse é um filme seminal. Romero rules! A noite dos mortos vivos não podia deixar de constar desse especial supimpa (!) do CineRodrigo.
Abs

renatocinema disse...

Adoro o estilo de Romero. Gênio nessa arte de terror.

Bela homenagem....merecida.

Rodrigo Mendes disse...

KARLA: Eu penso o mesmo. Um grande clássico. beijão.

CELO: Antes dos Zumbis só tínhamos o Frankenstein. Certamente Romero é o cara que criou o conceito dos mortos-vivos. Abraços.

REINALDO: Já assistiu a cores? Rs!Obrigado meu caro, Romero rules desde 1968 naquela noite aterradora! Abraços.

RENATO: Eu tb admiro o cineasta.
Valeu!
Abraços.